A melhor forma de aprender integralmente é fazendo e se emocionando

Quando visitei a Kaospilot, aprendi que há pelo menos dois jeitos de aprender.

Quando a gente senta e ouve, grava as coisas no nosso cérebro.

Quando a gente pega e faz, grava as coisas no nosso corpo.

Eu arriscaria dizer que existe um terceiro jeito: quando a gente sente e se emociona, grava as coisas no nosso coração.

Fazer é um jeito incrível de aprender. Todo mundo que tentou andar de bicicleta ou dirigir já experimentou aprender com o corpo. E todo mundo que conseguiu, já experimentou aprender com o coração.

Há aprendizados que não adianta só estudar da forma tradicional. É preciso mergulhar na realidade. Tocar, cheirar, experimentar de verdade. Tentar se equilibrar na bike e cair, errar a marcha ré.

Pra mim, empreender também funciona assim. Você pode ler mil livros, todo os blogs, assistir mil TEDs e conhecer toda a teoria. Mas precisa aprender também com o corpo e com o coração se quiser ter um aprendizado integral e valioso.

Enquanto você não fizer algo com as próprias mãos, não terá aprendido com o corpo. Nem que seja só batendo os dedos num teclado, ou falando com a própria voz. Coisas simples em que a gente se esquece, mas está pondo o corpo pra funcionar.

Enquanto não ouvir e ver as pessoas experimentando seu projeto e transformando suas vidas, mesmo que só por um instante, não terá sentido e se emocionado. Enquanto não se orgulhar dos feedbacks positivos ou se decepcionar com os negativos, não terá aprendido com o coração.

A melhor forma de aprender integralmente é fazendo e se emocionando.

Aprendi que é possível aprender com o coração na Schumacher College. Satish Kumar: Educação com mãos, corações e cabeças (em inglês).