Como empreender e se sustentar ao mesmo tempo? - Parte 1/4

É o dilema de todo empreendedor em estágio inicial. Você precisa de tempo pra aprender a entregar valor e fazer dinheiro com seu negócio, mas tem contas a pagar.

Nenhum empreendimento começa se (te) pagandoUm novo negócio requer um tempo de maturação, um período de aprendizado do empreendedor, até que ele realmente passe a entregar valor pras pessoas e receber dinheiro por isso.

Eu não tenho a grande resposta. Se você quiser parar de ler por aqui, tudo bem. Suspeito que não exista uma única verdade, que sirva pra todo mundo. Dinheiro é um assunto profundo que esconde muitos outros. Como nossa relação com o que consumimos, nossa autoestima, nossa humildade e ambição, nosso medo e coragem. Não é minha pretensão matar a charada tão cedo.

Mas tenho quatro ideias em construção pra te dar. Espero que elas possam te ajudar a entender este momento. Busco melhorá-las e estou à procura da quinta. Se ela estiver com você, por favor, me dê. Obrigado.

Vou publicá-las ao longo dos próximos dias, todo dia. Não quero ficar segurando, nem te fazer vir aqui várias vezes. Quero apenas manter minha rotina de escrever um artigo por dia. E acredito que cada uma dessas ideias merece meu tempo de atenção.

Antes, três toques:

Primeiro, acredito que empreender por dinheiro não é um bom negócio. Se esta é a grande motivação, volte duas casas e leia este artigo.

Segundo, parto do princípio de que empreender com dívida é um negócio ainda pior. Terrível, na verdade. Por isso, sugiro você investir o mínimo de grana em um novo negócio. Te adianto um aprendizado do LAUNCH!: o mínimo é zero. Feche a torneira, diminua os custos agressivamente.

Terceiro, só tempo de aprendizado não basta para prosperar financeiramente. É preciso entregar muito valor. Resolva brilhantemente um problema, preferencialmente grave, e você poderá receber dinheiro. Tem que trabalhar, não tem jeito.

Chega de pormenores. Aí vai a primeira das quatro ideias pra você se sustentar e empreender ao mesmo tempo.

1 - Gaste sua poupança

Se você parasse de fazer dinheiro hoje, quanto tempo conseguiria viver com os mesmos padrões de consumo? Essa é uma medida de riqueza. Tendo seis meses de economias, talvez você tenha três para começar a ganhar algum dinheiro com seu novo negócio. Se conseguir, será rápido. Considere que você levou muitos anos para ganhar dinheiro trabalhando pra alguém. Se não conseguir, você ainda tem mais três meses para voltar a fazer o que fazia, ou continuar tentando, com mais aprendizados acumulados.

Um dia, tive uma poupança para seis meses, trabalhando como assalariado. Antes de decidir usar essa grana para bancar meu período de aprendizado, me perguntei francamente: "por que estou juntando esse dinheiro? Para ter mais qualidade de vida, um dia? Vou ter agora. Estou trabalhando para, um dia, poder parar de trabalhar? Vou parar agora." Foi a reflexão que bastou para eu não ter medo de gastar minha poupança.

Se um dia o pé de meia me deu segurança para "caso alguma coisa acontecesse", considero que essa coisa aconteceu. Eu estava muito infeliz e usei o dinheiro que tinha para mudar completamente de vida. Ele durou um ano. Muito mais do que imaginei. Meus custos diminuíram. Foi o tempo suficiente para eu aprender muito sobre mim, a vida que eu quero levar e, principalmente, como eu posso gerar valor e ser pago por isso.

Não foi fácil, mas foi muito melhor do que a vida que eu levava. Gastar a poupança foi um excelente negócio para mim. Hoje, entendo que o dinheiro está a meu serviço, e não eu a serviço dele. E só descobri isso quando passei a usá-lo para o que importa, no caso, descobrir o que queria fazer e viver a vida que sempre desejei.

Talvez você não tenha uma poupança e essa ideia não te sirva. Amanhã, escreverei pra você.