Como empreender e se sustentar ao mesmo tempo? - Parte 2/4

Ontem, eu trouxe a primeira das quatro ideias sobre como começar a empreender, sem deixar de pagar as contas do mês.

Com vocês, a ideia número dois:

2. Faça jornada dupla

Ninguém disse que seria fácil.

Deve existir uma escala infinita entre o trabalho insuportável e o emprego maravilhoso. Se você está mais pro lado dos que batem ponto com um sorriso no rosto, provavelmente nem pensa em empreender. Mas, como está lendo este texto, o faniquito está em você. Empreender é coisa de quem está incomodado.

Eu sei que continuar suportando um trabalho sem sentido, o chefe autoritário e a sensação de que a vida está passando lá fora é horrível. No entanto, se você não tem uma gordura pra segurar as pontas, manter-se no emprego enquanto você empreende talvez seja um caminho viável. Tudo bem se não é a coisa mais deliciosa do mundo.

Se você já realiza um trabalho que é valorizado financeiramente por outras pessoas, talvez deva aproveitar dessa facilidade enquanto cria uma nova profissão para si mesmo. Às vezes, temos que vender nosso tempo fazendo o que não queremos, mas gerando valor, enquanto desenvolvemos as competências necessárias para fazer o que queremos e sermos pagos por isso.

A questão é: o plano B precisa ser executado.

O trabalho das 8h às 18h muda de cara se for encarado como o que sustenta o trabalho das noites e fins de semana. É o famoso vender o almoço pra comer a janta. São várias as histórias dos empreendedores que mal dormiam a noite, passaram anos construindo o caminho alternativo em horários alternativos. Se você for bom no que quer fazer, talvez não precise se sacrificar tanto. O trabalho não acontece no trabalho. Das oito horas que passamos no escritório, quando muito, metade é realmente produtiva. Ou seja, dá pra fazer muita coisa em pouco tempo no turno inverso. Comece desligando a tv.

Ao longo do tempo, a tendência é que uma das jornadas sobreponha a outra, já que ninguém aguenta viver sem descanso e tempo livre. O importante é começar agora e encarar os próximos dias no emprego como um período de transição. Não haverá o momento em que você estará 100% pronto pra demissão e o salto de fé. O caminho é feito de pequenos passos. Aumente o tempo e a energia dedicada ao seu próprio projeto. E, se possível, diminua gradativamente a carga de trabalho principal, na medida que a grana do seu novo negócio começa a entrar.

Eu, infelizmente, não sou bom com jornada dupla. Até tentei criar um caminho paralelo enquanto mantinha o emprego. Não deu certo. Preferia usar meu tempo livre tentando compensar com lazer a semana de trabalho pesado. É claro que também não deu certo, em termos de empreendedorismo. Fazer jornada dupla é pra quem consegue desligar uma chavinha na cabeça e se manter motivado. Tanto no trabalho do dia, quanto no da noite. Eu não sou desse tipo.

Mas o Estaleiro Liberdade nasceu assim. Como projeto paralelo em relação a outro negócio que fundei meses antes, o Nós.vc. Pouco a pouco, a escola pirata foi tomando o posto de principal negócio na minha vida. Meus dois sócios da época, também tocavam outros empreendimentos; Cabral, Engage e Amaral, Semente. Isso fez o Estaleiro nascer ousado e ao mesmo tempo sem pretensão. Não tínhamos a obrigação de fazer dinheiro rapidamente. O que é maravilhoso. Criar e desenvolver um negócio assim o torna muito mais leve e, por incrível que pareça, aumenta as chances de prosperar financeiramente.

Agora, se o seu comichão é imenso, assim como a tristeza ao acordar na segunda-feira de manhã, talvez a jornada dupla só te leve a querer ainda mais abandonar o emprego. Meu texto de amanhã pode te ajudar.