Como empreender e se sustentar ao mesmo tempo? - Parte 3/4

Seu novo negócio ainda não paga suas contas? Você não tem poupança, nem quer fazer jornada dupla? Seus problemas acabaram. Ou não. Aí vai a terceira ideia das quatro:

3. Seja sustentado por alguém

Calma, vou explicar.

Acreditamos, num primeiro olhar, que ter as contas pagas por outra pessoa é coisa feia. Já encarei assim também. Hoje, apesar de não viver na pele esta situação, mudei de ideia. Convivi com pessoas que têm essa oportunidade e entendi que ela também é um dilema. Parecia uma questão fácil, mas é assunto cabeludo, envolve uma boa dose de humildade, coragem e profundidade na relação.

Talvez exista um trauma coletivo em torno da ideia de ser sustentado pela família, amigos ou companheiros. Duas figuras que você não quer ser, presentes no imaginário popular. O eternamente jovem vagabundo profissional que não consegue sair da casa dos pais, mesmo depois dos 30, 40... Outro, o marido, ou a esposa, que é completamente dependente da renda do parceiro e se sente menor por isso.

No nosso caso, o cenário é diferente. Queremos mudar de atividade, empreender, trabalhar com o que importa, realizar nossos sonhos e receber grana justa por isso, certo? Ser sustentado por alguém não é uma condição permanente, nem um objetivo. Assim como gastar a poupança, ou fazer jornada dupla, ter as contas pagas por alguém não é pra vida toda.

Se você é amado por pessoas que podem e estão dispostas a te bancar nesse período de transição, agradeça. Isso é raro. Agora, cabe a você fazer sua parte. Não é fácil aceitar ajuda. Tampouco é saber pedir. Olhe menos pro próprio umbigo e entenda a posição do outro.

Muitas vezes, quem está bancando se sente feliz por poder ser útil e cuidar de você. Este é um jeito de estarem mais próximos. É humano o desejo de sentir-se parte de uma construção conjunta, poder contribuir para a realização de sonhos e conectar-se profundamente com quem amamos. Conseguir ser ajudado é também uma forma de ajudar.

Alcancem um acordo sobre valores, tempo de suporte e objetivos comuns e tornem o caminho mais saudável. Se ficar confortável pra todos os envolvidos, por que não aceitar? Só será desconfortável pra você, que está sendo sustentado por alguém, se você for incapaz de tornar as coisas claras. Talvez seja necessário encarar o sentimento de ficar em dívida. E seguir em frente. Talvez um dia você poderá pagar, de diversas formas. Talvez não. Lidem com isso.

Se alguém deposita tamanha confiança em você, a ponto de te sustentar enquanto você aprende a empreender, que bom, você tem um privilégio que pouca gente tem.

Agora, se você não tem uma poupança, não está disposto a fazer jornada dupla e não tem ninguém pra te sustentar enquanto começa a empreender, publicarei um texto pra você amanhã. Mas, já te aviso, é a pior das ideias.