Vá pra outro lugar

“Se você não está aprendendo, nem contribuindo, use seus dois pés e vá pra outro lugar.”

Essa é a "lei dos dois pés" que aprendi com a comunidade Art of Hosting. Ou a "lei das duas asas", como o politicamente-correto Tales sugeriu no Estaleiro Liberdade.

Não precisamos ficar na roda de conversa por uma mera conveniência. Nem no mesmo trabalho, nem com as mesmas pessoas, na mesma casa, tampouco na mesma cidade. Não precisamos estar só pra marcar presença.

Se não contribuímos, nem aprendemos, corremos grande risco de sermos um peso, um estorvo. Pros outros e pra nós mesmos. É assim que deixamos nossas vidas passarem em branco. Pra mim, o pior dos pesadelos.

Ir pra outro lugar não significa ter que estar, a todo tempo, falando, produzindo, entregando, contribuindo. Nem ouvindo, consumindo, recebendo, aprendendo. Pode significar estar só, em paz, mas presente. É estar cuidadoso e atento com as mudanças naturais que acontecem na vida.

Mudar não significa abandonar, desconectar. Seria maravilhoso combinar isso com todas as pessoas da Terra. Sem ressentimentos. Com maturidade.

Usar nossas asas e voar é um compromisso com a mais sincera verdade. É mais honesto com todo mundo assumir uma ausência consciente do que fingir presença sem aprender, nem contribuir. É como dizer: "eu prefiro estar verdadeiramente com você - e sem você - do que estar fingindo que estamos juntos."

Usar nossas asas (e permitir que as pessoas usem as suas) é libertador.