Lance o que você já tem

"Quando é o caso de trabalhar mais antes de lançar, ao invés de lançar o que já se tem?"

Nunca. Se você já tem algo, lance, pra alguém. Depois, você melhora.

A gente costuma planejar, preparar, remexer, até ter algo consistente pra lançar. O problema é que muitas vezes a energia gasta antes de lançar o projeto é tão grande que cansamos. E nem temos algo tão consistente assim.

Demoramos demais, nos fechamos nas próprias dúvidas e autocríticas. Antes de ter um feedback real já desistimos.

Eu passei um ano desenvolvendo o Nós.vc com meus sócios antes de lançar. No primeiro mês depois do lançamento aprendi tanto que mudamos tudo que foi feito até então.

Se tivéssemos feito pequenos lançamentos, teríamos aproveitado melhor nosso tempo. E aprendido ainda mais.

Fizemos nosso mínimo produto viável. Era simples. Mas, olhando pra trás, ele não era tão mínimo assim. Poderíamos ter nos esforçado menos e entregado mais, muito antes.

Aprendi que se você já tem o mínimo valor pra entregar pra alguém, entregue.

Faça o mínimo

O mínimo. Foque no mínimo. Entregue algum valor.

Há uma diferença enorme entre o ideal, o desejável e o mínimo.

O mínimo não é o ideal. Está muito longe disso. O ideal fica lá na frente. E, pra chegar lá, é preciso fazer o mínimo várias vezes.

O desejável também não é o mínimo. Você, empreendedor, deseja oferecer mais do que o mínimo. E um dia fará. Não agora.

Pra começar, o mínimo basta. Mínimo é o indispensável. Aquilo que é crucial no seu projeto. Sem isso, não há projeto. Tudo que não é essencial fica pra depois.

Talvez você não se orgulhe do mínimo. E ache que é capaz de fazer melhor. Você é. Mas, pra isso, precisa fazer, entregar o mínimo e aprender com isso.

Entregue valor

Ajude alguém. Resolva um problema. Gere valor com seu produto ou serviço. Ainda que por um efêmero instante, mostre que ele é viável.

Quando o projeto que você tem resolve o que se propõe, ele entrega valor. E você só saberá disso quando entregar. Você viabilizou sua existência e cumpriu seu papel.

Você entrega valor quando seu projeto está minimamente pronto pra sair dos seus domínios e ser recebido por alguém que vai experimentá-lo, usá-lo, senti-lo. Quem avalia não é você, é quem recebe.

Se você quer conectar as pessoas, basta conectar duas, pra começar. Se você quer ensinar as pessoas, ensine uma, primeiro. Se você quer servir refeições, cozinhe pra alguém. Se faz música, termine uma. Se quer escrever, conclua um texto.

Entregar valor significa completar um ciclo. Problema, desejo, ação, solução. Pronto.

Entregue pra alguém

Alguém não é todo mundo. Não há nada que seja pra todo mundo.

Pra começar, sua entrega não precisa nem ser pra um grupo grande de pessoas. Pode ser pra quem você já conhece. Família e amigos mais próximos.

São essas pessoas que vão te incentivar e te criticar para que você evolua. Se você já tem algo, mesmo que não considere bom, já é suficiente para mostrar a quem está próximo.

Depois, você melhora e entrega pros amigos dos seus amigos. E assim por diante. Um dia, estará confiante para abrir pro mundo.

É um conjunto de pequenas entregas que faz uma grande entrega de valor. Se você já tem algo, lance. E se precisar de ajuda, conte comigo.

As pessoas que apoiam a produção do meu primeiro livro, com R$ 20 ou mais, por mês, ganham uma surpresa. Nesse mês, elas ganharam uma página do livro para chamar de suas. A pergunta que abre esse texto é de um dos apoiadores. Daniel Weinmann, este texto é pra você!