Por que você se esforça?

Valorizamos o esforço. Parece heróico e digno se esforçar. Pressupomos que só há sucesso merecido se houver muito suor e trabalho duro.

Mas há, pelo menos, dois tipos de esforços. Eles são tão diferentes que mereceriam palavras próprias. Tratamos ambos como se fossem uma coisa só.

Aprendi com o Estaleiro Liberdade.

Se esforçar por desejo é completamente diferente de se esforçar por obrigação.

Entender essa diferença muda nossa relação com o trabalho e com a vida. Mas raramente a gente faz essa distinção.

O esforço por obrigação é, a primeira vista, fruto de algum tipo de opressão. Na maioria das vezes, ela vem de nós mesmos. Criamos deveres, escolhemos nos obrigar a fazer coisas que não desejamos, mesmo sem perceber.

O esforço por desejo é uma opção baseada naquilo que faz seu coração incendiar. Não é por algo ou alguém, é por você. Ainda que isso não seja muito claro.

Esforço por desejo: "Eu quero". Esforço por obrigação: "Eu tenho que..."

Por desejo: "Estou me sentindo vivo e pleno." Por obrigação: "Estou me preparando para fazer algo."

Desejo: "Não há nada melhor a fazer do que o que eu já estou fazendo." Obrigação: "Gostaria de estar fazendo outra coisa. Mas por enquanto não posso."

Desejo: "Requer esforço, mas é maravilhoso". Obrigação: "Requer esforço, mas vai garantir o meu futuro."

Desejo: Inconformidade. "Não é possível que seja assim!" Obrigação: Conformidade. "Fazer o quê, né?"

Desejo: Desafios reais e por necessidade pessoal. Obrigação: Desafios artificiais e por convenção.

Desejo: "Eu faria isso pro resto da vida." Obrigação: "Não é o que eu vou fazer pro resto da vida, mas por enquanto..."

Desejo: "Não é fácil, mas vale a pena." Obrigação: "Não é fácil, mas valerá a pena."

Desejo: "Eu posso." Obrigação: "Eu não posso."

Criação. Adequação.

"Descontrole" interno. Controle "externo".

Autonomia. Obediência.

Aprendizado e evolução. Educação e aprovação.

Trabalho, legado. Emprego, carreira.

E você, por quê se esforça?