É preciso perder o controle para inovar

Em um espaço controlado, sem vazios, já sabemos o que fazer e só reproduzimos os mesmos comportamentos.

É assim que funcionam a maior parte das grandes empresas. São instituições lentas ao inovar porque têm, como premissa, a busca por controle e previsibilidade. O novo e o inesperado não são bem-vindos pela natureza dessas organizações.

O gerenciamento, os procedimentos e as hierarquias corporativas têm como objetivo a manutenção do status quo, e não a criação do novo.

Departamentos e cargos servem para reproduzir, industrialmente, um padrão de trabalho. Repetindo, não se cria nada novo.

É preciso mergulhar no desconhecido, e abrir-se para o improvável se o objetivo é criar. Não é uma escolha. Só é possível inovar, verdadeiramente, perdendo o controle.