Cerque-se das pessoas que você admira. Você será tão bom quanto elas.

“Grandes ideias nascem, geralmente, de um grupo de indivíduos criativos.”
Austin Kleon

Em 2003, poucos tinham coragem ou inocência suficiente para escolher o pequeno e recém-criado curso de Comunicação e Expressão Visual, da UFSC, em Florianópolis. Eu fui um deles.

Um dia, fui pro Encontro Nacional de Estudantes de Design com meus colegas. Me surpreendi e me encantei. Éramos uma das maiores e mais vibrantes delegações. Dávamos workshops, fazíamos palestras, festas e tocávamos o terror. Mesmo sendo um curso novo, pequeno e de uma cidade fora do grande cenário nós estávamos lá, fazendo acontecer.

Não éramos os mais espertos, talentosos ou ricos estudantes. Existiam cursos mais tradicionais, de cidades maiores e com mais recursos. Mas, de alguma forma, nós tínhamos nosso destaque.

Anos depois, entendi que a única diferença entre nós e a maior parte dos estudantes era que nos encontrávamos mais. Entre a gente mesmo, no nosso tempo livre (nós tínhamos muito). A todo instante, no Centro Acadêmico, nos bares ou no corredor da faculdade estávamos trocando, nos relacionando e aprendendo juntos.

Nós criamos um ecossistema criativo sem saber que estávamos fazendo isso. Fazíamos mais coisas simplesmente porque tínhamos mais oportunidades para criar encontros e conexões.

Foi nessa época que eu aprendi que o gênio criativo e solitário é um mito. O que realmente existe é um ecossistema talentoso, que você pode catalisar e aproveitar. Se você não está em um, pode colaborar para um e se conectar a ele.

Fazer acontecer requer um comportamento empreendedor. Empreender é uma atividade criativa. E criar é uma atividade que exige muita referência, troca e colaboração.

Por isso, mais importante do que ter as competências para empreender é estar ao lado de pessoas que também estão no mesmo barco e colaborar muito com elas.

Mais relevante do que encontrar uma grande ideia é encontrar sua turma. Toda ideia é potencialmente boa, ou ruim. Mas é um bom grupo de pessoas que faz as ideias crescerem, se transformarem e se tornarem realidade.

Às vezes, esquecemos que somos naturalmente colaborativos, bichos sociais e muito mais inteligentes juntos do que separados. O gatilho do medo e da competitividade pode nos levar ao isolamento.

Mas empreender é sobre trocar. Nossas ideias são muito frágeis quando estão só com a gente. É trabalhando ao lado de pessoas também engajadas, ainda que em projetos diferentes, que desenvolvemos compromisso e prática.

É por isso que o LAUNCH!, programa mão-na-massa pra dar vida à sua ideia e lançar o seu projeto, é todo baseado em compartilhar e fazer em comunidade. (As inscrições estão abertas!).

É a consistência das nossas relações que nos leva a fazer algo realmente bom. Cerque-se das pessoas que você admira. Você será tão bom quanto elas.

“As pessoas que nós fazemos nos rodear têm um profundo efeito sobre quem somos.”
Malcom Gladwell

Inspirado pela pergunta da Camila Eleuterio, sobre o LAUNCH! "Por que tem que fazer em grupo?".