Como lidar com os trolls

A Internet nos deu voz. O esforço para falar bem ou humilhar digitalmente é muito pequeno. É fácil escrever e publicar qualquer coisa. E, por isso, é difícil não se deparar com trolls, críticos vorazes e descompromissados.

Tenho encontrado pessoas incríveis, cheias de potencial, ideias, serviços e arte pra entregar, mas que não avançam. Estão travadas por conta do medo das críticas que podem vir. Muitas vezes, elas ainda nem existem, de fato.

Se tem algo que me dói é ver potencial humano desperdiçado. Mais do que ataques e críticas. Por isso, se você tem medo dos trolls, te ofereço alguns pitacos pra lidar com eles, e não alimentá-los.

1. O seu trabalho não é você.

A crítica, quando vem, é ao que você fez, não a quem você é. Seja lá qual for a sua obra, ela não representa toda sua complexidade como ser humano. Levar pro pessoal é uma escolha. Escolha com sabedoria.

2. O seu trabalho não é pra todo mundo.

Não precisamos agradar a todos. Quando esse é o objetivo, tendemos a não agradar ninguém. É mais valioso manifestar algo genuíno, e se conectar com quem vê valor, do que fazer malabarismos para se conectar com todos e não ser verdadeiro.

3. Os trolls são só alguns.

Por que ouvir mais uma crítica do que um elogio? Prestamos atenção demais no lado negativo das coisas. Mesmo que os críticos existam, eles são sempre uma parcela, e não todo mundo.

4. Este problema (ainda) não existe.

Se você tem medo de ser criticado antes mesmo disso acontecer, relaxe. Você corre o risco de passar despercebido pelos trolls. Faça, entregue, descubra e lide com os problemas quando eles surgirem. Não antecipe.

5. Eles são uma fonte de aprendizados.

Os críticos estão se importando com o seu trabalho. E isso é maravilhoso. Eles estão dizendo algo, ensinando, buscando um tipo de conexão desesperada e atrapalhada. Quando conseguimos enxergar pelo lado da construção, qualquer crítica pode se transformar num ensinamento.