Seja agora o que você quer ser quando crescer

Quando eu era criança, queria ser empresário quando crescesse. Talvez era a única referência que eu tinha de uma figura com algum poder para escolher o que ia fazer, controlar o próprio tempo e ganhar dinheiro com isso. Empresariar o quê? Não fazia ideia.

Mais tarde, entendi que o que eu queria mesmo era ser empreendedor. Demorei pra descobrir isso. Antes, passei muito tempo me preparando para ser alguém. Como se eu já não fosse alguém.

Assim como milhões de pessoas, passei milhares de dias estudando química para passar de ano. Biologia para passar no vestibular. Passei cinco anos fazendo trabalhos acadêmicos sem sentido para que me dessem um diploma. Nesse meio tempo, fiz muitos estágios para um dia, quem sabe, fazer o que eu queria. Depois de formado, peguei alguns empregos que não eram exatamente o que eu queria fazer, mas… Enfim... Sei lá, né... É o que todo mundo faz. Me ocupava fazendo as coisas que apareciam, tentando acreditar que elas poderiam me levar para algo que fosse mais significativo pra mim.

“Não é o que eu quero fazer pro resto da vida, mas por enquanto é o que faço.”

Muita gente já disse isso. Eu fui um deles. Hoje, vejo nessa frase um enorme contrassenso. Se eu já sei que não é o que eu quero fazer daqui pra frente, o que eu espero conseguir continuando nessa atividade? Alguma transformação mágica? Alguém pra resolver meu problema? Uma fada madrinha?

“Insanidade é fazer a mesma coisa repetidamente e esperar resultados diferentes.” Albert Einstein.

Depois de tantas frustrações, cansei de me preparar para ser alguém. Resolvi que era hora de ser quem eu queria ser quando crescesse. Em algum momento, precisamos deixar de adiar nossas vontades e experimentações para assumir nosso próprio caminho. Quanto mais cedo, melhor.

O grande argumento por trás da preparação é o tempo de aprendizado. Aceitamos facilmente a ideia de que não estamos prontos para fazer o que queremos. No entanto, o aprendizado real, que nos faz fortes e capazes, se dá quando mergulhamos na experiência. Quando experimentamos o que queremos experimentar. Quando somos quem queremos ser. Quando fazemos o que queremos fazer. Ainda que, inicialmente, de forma desajeitada.

Enquanto só nos preparamos, estamos nos protegendo e evitando a verdadeira experiência de fazer o que nos é importante. Sempre há um jeito de experimentar o que gostaríamos de fazer imediatamente. Sempre é possível ser agora o que gostaríamos de ser quando crescêssemos.