Não acredito em "empoderar" o outro

Somente nós podemos "empoderar" a nós mesmos.

É claro que a gente se apoia uns nos outros. E muito. É evidente que há a inspiração mútua, o insight, a descoberta, a troca, a ajuda.

Acredito em bem comum, abertura, disponibilidade. Escrevo todos os dias aqui o que tenho aprendido por conta disso.

Mas é só faísca. Quem põe fogo, ou não, é cada um. Quem decide se o fogo é de palha, ou não, somos nós mesmos.

Fazer de verdade, transformar potência em poder é uma questão pessoal. É um compromisso individual.

“Empoderar” o outro talvez seja uma das desculpas mais sofisticadas para demonstrar poder sobre alguém. “Eu tenho poder. Você não. Toma aqui o que você precisa.”

No fim das contas, não é um blog, nem um livro, curso, incubadora, grupo, projeto, consultor, nem um coach que resolve - ou cria - nossos problemas.

Não adianta esperar o próximo salvador, apenas nós mesmos e as nossas escolhas podem nos transformar. Encarar as nossas limitações, medos, preguiças e fazer algo por isso é o que muda o jogo. Autoconsciência, disciplina e ação. 

Como diria Capitão Planeta, "o poder é de vocês."