Como “largar tudo” sem largar tudo

1. Faça contas.

Saiba exatamente quanto dinheiro você precisa por mês e faça uma poupança que te garanta por um tempo. Seis meses, um ano, dois, você define. Será o teu prazo para voltar a se sustentar com outra atividade. Se não, busque outras possibilidades para se sustentar ou ser sustentado.

2. Converse com todo mundo.

Marque cafés, conte sua história, fale pros amigos o que você está fazendo e o que está procurando. Retome as amizades antigas, ouça outras trajetórias. Faça perguntas, converse sobre seus medos. As pessoas adoram ajudar e podem te abrir novos caminhos.

3. Ache sua galera.

Conheça gente nova, fora do seu círculo. Os amigos antigos podem estar presos nas mesmas ideias que te seguram no emprego. Um grupo de apoio é essencial. Colabore com algum projeto que já existe, seja voluntário, procure coworkings, workshops, grupos no facebook, mais gente que está no mesmo barco.

4. Conte com os mais próximos.

Compartilhe com frequência sua jornada com os amigos e familiares que mais te apoiam. Fazer uma “prestação de contas” voluntária vai te ajudar a manter o ritmo e se motivar nos momentos difíceis.

5. Apoie-se naquilo que você já faz.

Não deixe tudo pra trás criando a expectativa de que sua nova rotina será 100% diferente de um dia pro outro. Sua antiga, ou atual, profissão provavelmente será o trampolim para uma nova vida. Faça uma transição gradual, porém consistente.

6. Mantenha uma rotina de experimentação.

Continue a nadar, diria a Dori de Procurando Nemo. Mudar é mais difícil que manter o status quo. É preciso um esforço extra, o que pode significar que seu tempo livre se transformará em tempo produtivo. Comece com um projeto paralelo, experimental, que pode se tornar principal, depois.

7. Procure fazer algum dinheiro com as suas atividades.

Algum, não precisa ser uma baita grana, pra começar. Mas um pouquinho que pode se tornar mais, depois. Um dia sua poupança vai acabar e o que vai ficar é o que você aprendeu. Se você não aprendeu a fazer algum dinheiro, as coisas vão ficar mais difíceis no futuro.

8. Não alimente o medo.

Mudar é sobre lidar com o desconhecido. E o desconhecido dá medo. É natural, acontece com todo mundo. Em geral, é muito mais provável que os medos fiquem mais na imaginação do que na realidade. Seja tolerante aos possíveis erros, eles são imprevisíveis e funcionam como presentes: são fonte de aprendizado.

9. Aprofunde-se no que você gosta e aprofunde-se em si mesmo.

Esta é - sempre - uma jornada sobre nós mesmos. Largar tudo significa, na verdade, ganhar muito mais. Aprendemos, descobrimos mais sobre quem somos e chegamos um pouco mais perto dos nossos sonhos.

10. Faça seu caminho.

Não há fórmula, coach, livro ou receita pronta que resolva tudo por nós. As melhores decisões são as que a gente faz genuinamente, com coração, corpo e mente. O melhor caminho é o seu.