Um segredo e um obrigado

Eu já pensei em parar de escrever aqui várias vezes. Na verdade, eu penso nisso todo dia.

É um trabalho que exige paciência e disciplina oriental. Já estive o dia inteiro num avião, mas saiu texto. Já fiquei sem internet no Camboja, achei um wifi aberto do lado de fora do ônibus, e teve texto. Ano Novo, Natal, férias, não interessa, dá-lhe publicação.

Todo dia eu me faço a mesma pergunta: o que eu vou escrever hoje? Quase sempre é desconfortável, dá preguiça. Muitas vezes eu acho que o texto ficou uma bosta e que não tenho nada de relevante pra compartilhar. Já roubei no jogo algumas vezes, só repassei um texto que gostei, uma frase, um vídeo e até amanhã.

A Mari, que muitas das vezes está ao meu lado, já deve estar cansada de me ouvir: "hoje é o último dia do blog do Larusso". Acabou.

Mas não acabou. Ainda. Até hoje, não parei, desde 4 de janeiro de 2015. Amanhã, talvez...

Escrevi aqui os motivos pelos quais eu faço isso, o que eu ganho. E a cada dia ganho mais. Mesmo exigindo esforço, tem valido muito, muito a pena.

Eu tenho um segredo que não me deixa parar. Criei uma estratégia, um artifício. Imagino que existem pessoas esperando ansiosamente pela minha publicação do dia. Elas ficam desesperadas, atualizando o blog sem parar. Eu finjo que elas existem, e que eu não posso desapontá-las. Daí escrevo.

Para minha surpresa, nessa semana, eu descobri que essas pessoas que esperam pela publicação do dia realmente existem. Caramba, elas me lêem todo santo dia. São pelo menos duas pessoas (além da minha família) e isso é muito mais do que eu poderia imaginar.

Eu não sabia que elas me esperavam todos os dias, e elas não sabiam como saber disso me motiva ainda mais. 

Aprendi que nesse mundo conectado, com tanta desconexão, vale a pena dizer pras pessoas: "estou aqui, estamos juntos, estou te acompanhando, obrigado". O valor disso é muito maior do que parece.

Eu vejo webcelebs, blogueiros, youtubers, produtores de conteúdo amadores, com outros olhos e menos preconceito, hoje em dia. O que fazem não é somente uma caça a likes, seguidores, massagens no ego, reconhecimento.

É uma busca por conexão e abertura. É uma busca por generosidade e troca. É uma busca por autenticidade e responsabilidade. Porque quem faz se coloca como responsável por construir o mundo que deseja, através da sua arte, dos seus conteúdos e entrega.

Então, se você curte o trabalho de alguém, sugiro que não apenas curta. Comente, compartilhe, alimente, apoie, indique. Eu quero fazer isso mais, porque isso me impulsiona quando fazem comigo.

Tem uma pessoa aqui e eu preciso me lembrar que tem gente incrível aí. Que a gente se enxerga, pelo menos um pouquinho, por um instante. Muito obrigado.

PS: Este texto foi publicado às 00:01, dia 31 de janeiro de 2016, com um ou dois minutos de atraso. Era pra ser o do dia 30, desculpe pela demora!