Este caminho tem um coração?

"Antes de embarcar em qualquer jornada, faça a pergunta: Este caminho tem um coração? Se a resposta é não, você saberá, e então você deve escolher outro caminho. O problema é que ninguém faz a pergunta; e quando uma pessoa finalmente se dá conta de que tomou um caminho sem um coração, o caminho está a ponto de aniquilá-lo. Nesse momento, muito poucas pessoas conseguem parar para deliberar, e abandonar aquele caminho. Um caminho sem um coração nunca é agradável. Você precisa dar duro só para aceitá-lo. Por outro lado, um caminho com um coração é fácil; ele não exige que você se esforce para gostar dele." - Carlos Castaneda.

Esse trecho do Castaneda já foi tudo que precisei ler em certo momento da vida. Era uma dessas decisões difíceis. Difíceis só por conta da excessiva análise que fazemos. Porque a gente teima em não aceitar o que o coração manda e tenta se justificar. Queria mudar de cidade, mas procurava razões para não ir.

O problema de tomar decisões racionais, exclusivamente, é que elas naturalmente nos levam para caminhos frios, previsíveis, que nos matam pouco a pouco. Até podem nos dar uma sobrevida. Mas raramente nos trazem mais do que isso. Os caminhos quentes, intensos, que alimentam a vida e todos seus sabores e dissabores, precisam de coração.

Retomei contato com esse trecho do Castaneda através desse texto, ótimo, do querido André Camargo.