Meu primeiro livro está pronto

Lá pelo meio de 2015, estava numa livraria, folheei uns desses livros interativos, que são mais pra rabiscar do que ler, conhece? Destrua este diário1 página de cada vez, e me veio uma ideia.

"E se fosse um livro de atividades que ajudasse as pessoas a tirarem seus projetos do papel?"

Saquei o celular e comecei a escrever dezenas de desafios e ações. "Crie uma página do facebook do seu projeto". "Conte pra um amigo". "O que vai acontecer quando sua ideia acontecer?"

Voltei pra casa, abri o mesmo arquivo e continuei. Escrevi mais de 200 atividades em alguns minutos. Era possível. Contei pra Mari, ela adorou. Pareceu que ia ser fácil.

Os primeiros rascunhos. 100 páginas? 365 dias?

Os primeiros rascunhos. 100 páginas? 365 dias?

Mas não foi. Nada é assim fácil. Olhando com mais critério, boa parte das atividades que escrevi não levava a lugar algum.

Então veio o vão. Aquele momento em que a ideia já não é mais tão legal, empolgante. E este projeto foi se acomodando em alguma gaveta na minha cabeça. O ano foi passando e o livro se tornou uma resolução pro ano que vem.

As coisas só mudaram quando tomei uma atitude. Liguei pros amigos incríveis Gab Gomes e Luciano Braga, contei a ideia e convidei eles pra criarem esse projeto comigo.

Foi a gasolina que faltava nessa chama. A partir daí, criamos mais e mais páginas, definimos um nome, 333 Páginas para tirar seu projeto do papel, desenhamos um conceito, levamos o livro pro Catarse.

No dia do lançamento da campanha, Lula teve sua condução coercitiva. No último dia da campanha, a votação na Câmara deu Impeachment.

Quem se importa com 333 Páginas? 358 pessoas. No meio dessa loucura, centenas de pessoas compraram livros físicos e digitais. Muito mais do que poderíamos imaginar.

Aí não teve mais jeito. A gente tinha que fazer. Gab e Braga passaram um fim de semana comigo reescrevendo as atividades, comentando, reordenando, rindo e avançando no que a gente já não conseguia mais fazer à distância.

E aí teve o câncer do Braga. Que foi um baque pra nós. Mas que nos mostrou também como ele é um cara muito foda. A quimioterapia seguiu e a vida também. Estou muito feliz por ele estar na reta final do tratamento e se recuperando. Amigo, estou aqui.

Diagramar parecia fácil, mas não foi. Revisar não foi fácil, obrigado Tales. Imprimir parecia que era só mandar o arquivo, mas não era. Toda tarefa na imaginação é muito mais simples do que quando a gente faz.

Por isso, mais uma vez, eu digo, faça. Vale a pena. Dá orgulho, entrega valor. E é completamente diferente de imaginar. É chato. É repetitivo. É desgastante. Mas é uma delícia depois de pronto. O cheiro aqui, agora, é de livro novo.

Nessa semana, estamos fazendo a entrega do livro 333 Páginas para tirar seu projeto do papel. Imprimimos 500, já foram uns 380. Restam uns 120, apenas.

Apenas nada. Se cada um desses livros virar ação, atitude, questionamento, é muita coisa. Se pelo menos uma parte dos projetos engavetados nas cabeças de nossos leitores ganhar um pouco de vida por conta desse livro, estarei realizado.

Mais uma vez, muito obrigado. Foi uma honra começar e finalizar esse projeto. Mais uma vez, sou muito grato por toda essa força que vem de você que me lê. Seguimos juntos, colocando e tirando coisas do papel.