Se dinheiro não fosse um problema, como seriam seus dias?

É difícil desapegar das nossas visões restritas em um mundo de consumo.

Mas vamos lá, vamos tentar. Não estou falando de luxo. É sobre de desejos reais, genuínos, talvez secretos.

Imagine que, pra você, faltar dinheiro não é um problema. Não é uma questão. Você pode trabalhar com o que quiser. Não ganhará mais, nem menos, por isso. Ou, ainda, você tem muita grana. Muita. O suficiente para que várias gerações vivam com tranquilidade financeira. Nunca vai faltar.

Minha pergunta é: como seriam seus dias?

Você acordaria e faria o quê?

Faria o que está fazendo hoje, agora?

Seria cozinheiro, médica, escritor, atriz?

Teria uma atividade diferente por dia? Tomaria mais chás com as pessoas queridas?

Moraria na praia? Escalaria montanhas? Pintaria as paredes?

Faria esse MBA? Bateria ponto? Entregaria relatórios no prazo?

Deixaria o quê pro mundo? Cuidaria de quem? Resolveria que problemas?

Quanto mais diferente é sua rotina desses dias imaginários, menos o dinheiro te serve.

Grana é só um dos mecanismos para que a gente sobreviva e evolua.

Se o dinheiro que você faz não viabiliza a vida que você deseja, qual é a utilidade dele?