Empreender pelo estilo de vida ou por dinheiro?

"Eu queria viajar o mundo e resolvi empreender. Mas quando eu me dei conta, estava com um contrato na mão, numa reunião com investidores, prestes a viver num escritório."

Existem dois tipos de motivações bem diferentes para empreender que se confundem na hora de buscar informações sobre o tema.

Tem o "lifestyle entrepreneurship" e tem o "money driven entrepreneurship". (E deve ter muito mais.)

Tem aqueles que empreendem pra mudar seu estilo de vida. Deixar de trabalhar batendo ponto, ou batendo no teclado, para fazer algo que os dê significado, conexão e prazer. É o tipo de trabalho que nem todo dinheiro do mundo te faria parar.

O segundo é sobre um empreendedorismo para fazer muito dinheiro, conseguir investidores, escalar, vender a empresa e talvez viver de renda, do trabalho de outras pessoas ou da posse de algo. Este tipo pressupõe um ritmo de trabalho ardiloso e duro no início para, um dia, poder parar de trabalhar.

Não acredito que exista um único caminho certo ou errado. Cada um faz suas escolhas na vida. Eu sou do primeiro tipo. E, na real, quase todo mundo que se conecta comigo também é. Apesar dos vários tons de cinza entre um extremo e outro.

Mesmo que a gente, que empreende pelo estilo de vida, precise de algum dinheiro para financiá-lo, não precisamos de investidores, escala, milhões, nada disso. Precisamos começar, continuar, trabalhar com inteligência para equilibrar as contas. Precisamos de discernimento para viver a vida que desejamos e alguma habilidade pra hackear o sistema.

O problema é que muita informação que a gente tem a respeito de "empreendedorismo" é sobre "money driven entrepreneurship". Os livros, eventos e referências mais populares são do tipo "os segredos da mente milionária". Se você começa a procurar sobre o tema no Google, é o tipo de informações que vai encontrar.

Talvez, vai se deixar levar, se sentir pressionado, investir tempo e dinheiro estudando, se encontrando e trabalhando com pessoas que querem pra suas vidas algo que você não quer.

As promessas se confundem mesmo. Os que buscam empreender prioritariamente por dinheiro também lêem muito sobre "faça o que ama". Por vezes, se dão conta de que não é bem isso o que procuram. Quando seguem apenas suas paixões, dificilmente fazem escolhas que os levam para a criação de negócios com altíssimo potencial de escala.

Em vários momentos da minha vida, estive perto de tomar decisões muito mais por dinheiro do que pelo estilo de vida que eu quero levar. Quando meus parâmetros de sucesso são ameaçados por uma possibilidade de fazer uma grana (e apenas isso), ligo um sinal amarelo.

Precisamos explorar muito bem o que está por trás do nosso desejo por empreender. Descobrir nossa pegada não somente lendo, mas principalmente fazendo. Com as próprias mãos. Precisamos nos apropriar daquilo que realmente nos serve, independente da pressão alheia. Sim, é preciso coragem. Mas quem tá nesse barco, pelo estilo de vida ou por dinheiro, tem o mesmo pré-requisito.

Podemos aprender com os caminhos dos outros. Mas quem empreende de verdade aprende com o próprio caminho.