Não vou criar uma censura em mim mesmo

Vi esse maravilhoso vídeo do Nerdologia.

Curioso, cliquei num vídeo-resposta.

Fiquei de cara. Me arrependi de ter clicado. Me deu vontade de parar de ver em vários momentos. E parei mesmo. Não consegui ir até o fim.

Me achei ridículo. Percebi que escuto, apenas, o que me agrada.

Seria ótimo se isso não criasse, ao meu redor, uma bolha.

Eu não sei você, mas tenho pouquíssimo contato com opiniões radicalmente diferente das minhas. Talvez, há bastante tempo.

Minha timeline do facebook só tem coisas que me interessam a respeito de um mundo colaborativo, em busca de sustentabilidade, generoso e neo-hippie. É o que os algoritmos de Zuckerberg me dão, a partir do meu comportamento digital.

Com cada vez mais canais especializados, conteúdo de nicho e amigos incríveis, sou alimentado com o que é fácil de lidar.

Mas o mundo que quero construir é muito maior que isso. Passa pela diversidade, pelo diálogo, pela aceitação do outro, seja quem for.

Não quero alimentar a intolerância, a ignorância, a segregação. Se ignoro o que é diferente de mim, não é justamente a ignorância que estou perpetuando?

De alguma forma, preciso aprender a lidar melhor com o completamente oposto. Ainda que isso exija mais do meu estômago.

Não vou criar uma censura em mim mesmo.

Mas vou continuar vendo a Jout Jout.