Ser autônomo é ser você

"Para começar a falar de autonomia é importante falar de você. Se você quer ser autônomo, é você que vai tomar todas as decisões importantes da tua vida. Desde a hora de dormir e acordar, até qual pijama vestir — se é que vai vestir algum. Se vai trabalhar ou procrastinar, guardar ou gastar, ficar em casa, ir no café ou cruzar o Atlântico. Ser autônomo é ser você. Então comecemos por aí mesmo: quem é você?" - Cuducos.

Tenho sentido cada vez mais que cada vez que abrimos mão da nossa autonomia estamos buscando, de novo, tetas para mamar.

Primeiro, são nossos pais que nos provêm. Depois, professores que nos educam. Chefes que nos dão oportunidades incríveis. Uma bela aposentadoria dada por este governo tão generoso.

E assim vamos construindo na vida uma constante necessidade de sermos validados e sustendados por alguém maior, mais sábio, mais experiente e mais poderoso.

Logo, nos colocamos como seres menores, menos capazes, novatos e fracos. O que pouco a pouco mina a autoestima e diminui exponencialmente nossa coragem de ir contra a maré.

Hoje em dia, assumir autonomia é ir contra a maré. Porque o senso comum diz que tomar decisões, se posicionar e assumir responsabilidades parece duro. Mais do que terceirizar.

Não é. Entregar nossa autonomia é o passaporte para deixarmos de ser a única coisa que realmente somos. Nós mesmos.

E quem sou eu? Quem é você?

Não sei. Essa é a graça. Somos quem quisermos, não o que querem que a gente seja.