Empreender é se frustrar

Todo empreendedor tem que lidar com uma boa dose de frustração.

Vamos colocar aqui empreendedor como a pessoa que se propõe a construir sua realidade. E, assim, faz sua arte, seus projetos, seus movimentos, suas conexões. Pode até criar um negócio, mas não apenas isso. É um comportamento, não uma profissão.

Empreender é se frustrar porque há uma distância entre o que sonhamos e o que conseguimos fazer, no momento. Se não há distância, não é sonho. É realidade.

Uma possibilidade para lidar com a frustração é lutar contra a falha, sofrer por antecipação. É assim que alimentamos a ansiedade.

Outro caminho é acolher a frustração. Experimentar, testar, se jogar aceitando a possibilidade de errar. É como aprender a andar de bicicleta. Um misto de medo, brincadeira, desafio, prazer e descoberta.

No fim das contas, não tem jeito. Empreender envolve, sempre, uma dose de risco. Nos colocamos no escuro e, por isso, precisamos, em algum momento nos lançar e confiar no que vier, aceitar.

A preparação é sempre uma ilusão. Nos preparamos para o que enxergamos. Mas jamais estaremos 100% prontos para o que não vemos. Nasce o risco e a frustração, se a gente não administrar as expectativas.

Para começar e fazer é preciso encarar a frustração como parte do processo. É uma oportunidade de aprendizado.