Nossos projetos não precisam ser inéditos

Nossos projetos não precisam ser inéditos, disruptivos, inovadores.

Eles precisam ser genuínos. Verdadeiros, autênticos pra nós mesmos. Isso basta.

Pode ser um mercado, uma fábrica de chocolate, um café, um livro, uma escola. Pode ser qualquer coisa que já existe, comum.

Mais importante do que ser inédito é ser real, significativo, crível. Coerente com os valores de quem faz.

Nossos projetos podem ser únicos. Não pelo que fazem, mas pela forma que fazem, um reflexo de nossos propósitos mais profundos.