Mudei. E este blog também.

Ao longo de treze anos me mudei de São Paulo pra Florianópolis. De Floripa pra Porto Alegre. Do Rio Grande do Sul pra SP. E de lá pra Floripa de novo.

Minha vó me perguntou, na última mudança, se finalmente era pra sempre.

- É pra sempre, vó. Até que me mude de novo.

Sexta-feira foi um dia atípico. Deixei de publicar diariamente neste blog. Disciplina que me dei de presente no meu aniversário de trinta e segui à risca por mais de dois anos.

Meu computador parou de funcionar. O carregador do iPad também, no mesmo dia. Recebi muitos amigos em casa. Dediquei atenção à Norí, nossa cadela filhotinha que acabou de chegar. Fomos jantar com uma amiga. Fiquei sem bateria no celular. Estava sem nenhuma conexão. Descobri que era mais de meia noite e este dia finalmente aconteceu.

Desculpas. Sou ótimo nisso. E você?

Poderia ter escrito antes. Poderia ter pedido um computador emprestado. Poderia ter carregado o celular. Poderia ter feito outras escolhas, poderia ter dado um jeito. Sempre é possível e já fiz isso muitas vezes ao longo desses 747 dias.

Justificativas. Mais uma habilidade.

A verdade é que escrever neste blog diariamente deixou de ser tão significativo pra mim. A vida segue mudando, querendo ou não.

Nos últimos meses não me dediquei. Sentar e escrever já não era um dos meus momentos favoritos do dia. Me faltavam mais que palavras, assuntos. E ainda assim eu continuava seguidamente tentando pôr em texto o que você gostaria de ler, o que eu gostaria de compartilhar e o que nos aproximaria.

Por que continuava?

Porque quebrar um hábito é muito mais difícil do que se jogar algo novo. O hábito solidificado é mais forte que o benefício, ou o malefício, que qualquer mudança poderia gerar. Acho até que criar um hábito é mais fácil do que se desfazer de um.

Nesses dois anos foram centenas de publicações, milhares de leitores, compartilhamentos aos montes e eu não poderia ser mais grato por isso. Muito obrigado.

Mas eu já não estou mais aprendendo como já aprendi. Nem contribuindo ao mundo como já contribuí, neste momento, através desta atividade. E isso basta para mudar. Não importa quanto o hábito de escrever todos os dias já me trouxe felicidade.

Repeti a dose no sábado e não escrevi. Dois dias sem escrever é o novo recorde deste blog.

Refleti.

Tomei uma decisão que me coloca em uma nova posição de medo e desafio. Um ótimo lugar para criar e fazer arte significativa.

Por um lado, tenho medo de não conseguir, me perder, quebrar nossa confiança. Será que não é pira demais da minha parte?

Por outro, quero experimentar um novo formato. Ver onde isso vai dar, aprender com o processo e descobrir mais sobre mim, sobre o que amo fazer e o que me toca.

Gosto de aprender fazendo.

Escrever todos os dias é ótimo porque cria responsabilidade e a possibilidade de conexão aumenta. Talvez você não me leia hoje, mas poderá me ler amanhã.

Porém, dificulta fazer algo mais elaborado, complexo, talvez profundo. Não consegui ser consistente todos os dias. Muitas vezes publiquei só pra me livrar da tarefa que me dei.

Quero ter algo genuinamente significativo para entregar. Isso acontece com frequência, mas não todo santo dia.

Por isso, a partir de hoje, farei publicações semanais. Espero que elas sejam mais profundas, quem sabe mais densas.

Gostaria de levar nossa história para outro patamar. Quero trocar mais com você, ler o que você tem pra me dizer. Espero, daqui pra frente, abrir mais espaço pra isso. Ler mais exige escrever menos.

Daqui pra frente teremos novas publicações apenas aos domingos. Noites de domingo em geral são xôxas. Quero dar minha pequena contribuição ao mundo para virar este jogo.

A newsletter “Doses de amor” continua. Segunda-feira, por volta das seis horas da manhã, deve chegar um email com o texto da semana. Seguimos conectados.

Transformações revigoram. Nossa capacidade de adaptação é o que nos fez chegarmos até aqui. Por isso, quero aceitar as mudanças em mim. Quero enxergá-las como força motriz da vida.

E se você quiser chegar mais perto, ficarei feliz. Por favor escreva para larusso@larusso.com.br. Estou com muitos emails atrasados. Mas pode ter certeza de que vou ler e responder em algum momento.

Vamos juntos ver até onde vai a toca deste coelho. É uma mudança definitiva, pra sempre. Até que mude novamente.