Como as mudanças acontencem?

Participei recentemente de uma imersão, convidado pelas mulheres incríveis do coletivo Imagina.vc.

Elas lançam, de tempos em tempos, jornadas com ações simples para quem quer fazer pequenas e grandes mudanças.

Mas, como começar?

Esse foi o desafio do lindo grupo heterogêneo e ao mesmo tempo cheio de conexões que participei. Fomos incumbidos de desenhar uma jornada para quem quer começar um processo de transformação pessoal e coletiva.

Os resultados ainda não saíram. Mas prometem. Se quiser, assine a Newsletter do Imagina para que te avisem.

Quero compartilhar com você meus insights pessoais. Como eu acredito que as grandes mudanças acontecem.

Na verdade, é preciso lembrar, mudanças são constantes. Estamos inevitavelmente vivendo e testemunhando eternos processos de transformações. Talvez não exista apenas um começo. São vários e vários recomeços nessa vida.

Mas tem alguns elementos e ações que dão suporte e sustentam viradas de página, processos de mudança, transformações profundas e, talvez, conscientes.

Inspiração - Sem referências é muito improvável enxergar outra forma de viver. Sempre tivemos muitas pessoas buscando jeitos alternativos de trabalhar, conviver e ser, ainda que estivessem escondidas. Mas a Internet permitiu que essas pessoas fossem vistas. Tem muita gente que inspira pelo exemplo. É ainda mais relevante quando as referências estão próximas. Mais do que isso, te apoiam. Encontre quem te inspira, não se preocupe em imitá-las ou venerá-las, apenas observe.

Apoio - É fundamental. Sempre sugiro, encontra tua turma, tua galera, quem tem visões de mundo parecidas e habilidades complementares. Toda mudança requer também novos amigos, ou apoio dos amigos e familiares antigos. Essa jornada da vida é muito mais gostosa quando vivida em companhia. As conexões precisam necessariamente serem tecidas ou regeneradas pras mudanças acontecerem. Procure e cultive apoio, abra o jogo, crie seu ambiente seguro para errar.

Autoconhecimento - Escrevi semana passada como acredito que a mudança vem de dentro pra fora. Se mudanças são processos pra vida toda, se conhecer também. Não há limite, é sempre possível ir mais longe e mais fundo numa busca pessoal, questionar e entender suas paixões, motivações, medos, talentos, espiritualidade. E, assim, forjar a sua história. Invista fortemente na busca pessoal, mergulhe em você.

Empatia - Se olhar pra dentro é fundamental, se conectar com os outros é igualmente importante. Parece que nossa responsabilidade sobre o planeta aumenta quanto mais nos damos conta da nossa ligação com tudo que nos cerca. Empatia é tomar a perspectiva alheia, não se ater aos julgamentos e reconhecer as emoções e necessidades que nos conectam. Isso é muito poderoso. Conecte-se profundamente com o outro, aceite e apoie.

Autoestima - Sim, eu posso, você pode. Não é balela. Não é papo furado. Se você duvidar de si, não terá energia para ir adiante. Isso está muito ligado ao contexto familiar e história de vida. Quanto mais você cultivou e foi incentivado a ter um olhar de autocompaixão, mais gana terá para fazer a mudança por si. E não esperar que façam por você. Alimente a sua autoestima, imponha-se quando necessário, acredita e vai.

Pequenos passos - O meu favorito. Tudo começa de algum lugar. Um passinho pequeno, repetido com consistência leva a uma longa caminhada. Mudanças bruscas não acontecem quando a gente quer. Mas as pequenas são nossa responsabilidade. É aquela: “pense grande, comece pequeno, aja rápido”. Tenha paciência e lembre-se de que tudo começa da forma mais simples.

Tranquilidade - Vai dar errado. Vai ser sofrido. Vai ser difícil. Mas ainda assim você deve saber que tudo pode mudar, melhorar, ser diferente. É preciso ter uma certa casca, ou autoconfiança, habilidade para respirar, aceitar o momento e cuidar da energia necessária para que as coisas mudem. Fique tranquilo, tudo está mudando.