A vida é difícil. Vamos celebrar.

Vi Capacetes Brancos. Vale cada minuto dos quarenta e poucos. O documentário que levou Oscar está no Netflix.

Sem spoiler: pessoas comuns dedicam suas vidas na Síria devastada para salvar outras. Não são médicos, bombeiros, policiais. São padeiros, artesãos, pessoas como eu e você.

Imagina viver diariamente correndo atrás de bombas que acabaram de soterrar pessoas e tirar vidas. Esse é o cotidiano dos Capacetes Brancos. Todo dia tem trabalho.

No site em que recebem doações, sugerem: "dê o que você pode, eles dão tudo." (Se você também se pergunta o que pode fazer pelas grandes tretas do planeta, aí está uma dica, doa).

Essas pessoas valorizam cada vida, não importa de que lado está, fazem tudo pelo resgate. Não existem lados. "Salvar uma vida é salvar a humanidade".

É horrível fazer essa comparação. Mas é inevitável. Minha vida está fácil, muito fácil.

Tenho um lar, família, amigos, comida garantida pra hoje e com certeza por mais uns bons dias. Faço meu dinheiro, me relaciono com pessoas maravilhosas. Me dou ao luxo de escolher trabalho. Sou um privilegiado.

Enquanto isso, tem gente no mundo entregando tudo em um país sem qualquer perspectiva. Perdendo familiares, amigos e colocando a própria vida em risco todo dia. 

E eu aqui, reclamando da louça suja. E ouvindo reclamações da falta de grana, do trabalho, do outro.

É lamentável valorizar o que temos comparando com quem está em situações dificílimas. Não tem comparação. Mas, infelizmente, isso funciona, me toca e talvez também mexa com você.

Não quero desvalorizar o meu, e nem o teu sofrimento. Seja qual for o sentimento que vivemos, é legítimo.

Mas será que a gente está dando o que pode?

Será que conseguimos enxergar com outros olhos nossos grandes problemas?

É possível ser grato pela vida sem ter que perceber, ainda que a distância, um pouquinho de morte?

É possível aceitar o que temos, aqui e agora, sem nos preocupar tanto com o que não temos?

Hoje só quero registrar que não estou só. Você também não. Onde estamos agora é um lugar que já desejamos muito.

Vamos valorizar, agradecer e aceitar com tranquilidade qualquer que seja nossa condição.

Há muita vida pra viver, perrengue pra passar, brigas pra comprar e transformação pra acontecer.

"Life is hard. Let’s celebrate."

Grato.