Tristeza é vida

Gosto de ler Leo Babauta de vez em quando. É um cara que escreve sobre hábitos zen.

Hoje, descobri que ele trabalha com “Uncopyright”, abriu mão de direitos autorais do seu trabalho.

Ele surfa lindamente no espírito da internet.

Mas este texto não é sobre isso.

Comecei a traduzir um artigo dele que curti, mas não concordo 100%.

Então, fiz minha versão abaixo, uma prática liberada pelo autor. Se preferir o original, está aqui.

Tristeza é vida

A vida muda. E, por isso, às vezes, estamos na merda.

Alguns exemplos de situações difíceis:

  • Você perdeu um ente querido
  • Você recebeu péssimas notícias
  • Você está sem grana e sem nenhuma perspectiva
  • Você está sofrendo no trabalho
  • Você está com problemas sérios de relacionamento
  • Você está doente ou realmente cansado
  • Alguém machucou você emocionalmente

São momentos terríveis, é normal estar mal. Você pode se perguntar por que a vida é tão difícil. Pode se sentir sem saída.

Controle total sobre a vida é uma ilusão. Nem sempre podemos fazer algo por essas situações. Mas sempre é possível perceber que estamos vivos, nos transformando e tudo vai continuar mudando.

Permita-se viver momentos de infelicidade. Quando nos sentimos mal, sentindo dor, tudo o que queremos é fugir da situação. Ignorá-la, fingir que estamos bem, nos consolar, atacar algo ou alguém, nos entupir com drogas, nos distrair. Esta é uma resposta muito humana. Mas, na verdade, fugir da infelicidade não melhora a situação. Geralmente, apenas prolongamos a dor, dificultamos os problemas. Em vez disso, permita-se sentir-se infeliz, é ok sentir dor. É real, é possível, é humano. Faça uma pausa e permita-se perceber a infelicidade, observá-la. Veja que é isso aí, e mantenha a curiosidade, explore, fique intimista com a situação. Não é agradável, mas não mata. Na verdade, é onde a cura começa, onde o crescimento brota.

Veja a dor como vida. Agora que você está cara a cara com a dor, tocando e ficando intimo com ela, veja que, na verdade, isso é estar vivo. A vida não é só euforia e evasão (pelo menos, não exclusivamente), não é só alegria. Estar vivo significa sentir dor, sentir medo, sentir-se desconectado às vezes. Permita-se sentir e imaginar que isso é o que a vida parece. Sim, você poderia dizer: "Isso é uma merda", ou poderia dizer: "Que experiência interessante, estar viva." É como bungie jumping: cheio de medo, emoção, choque e alegria. Viver é uma experiência extraordinária. Você está tendo um momento desses agora.

Encontre gratidão em algum lugar. Sendo plenamente vivo, estando totalmente imerso nesta experiência deste momento, o que há para agradecer? Mesmo coisas pequenas, como a visão de folhas fora tremendo no vento ou alguém rindo nas proximidades. Ou coisas que damos por certo, como a visão e a música. Tendo relações. Sendo apoiado por milhões de pessoas invisíveis que garantem a sua existência agora. O sabor de um morango ou o cheiro de comida caseira. Sua respiração. Você pode encontrar gratidão por qualquer uma dessas coisas, a qualquer momento, inclusive agora. O que te faz ser grata agora?

Encontre alegria em estar vivo. Você está vivo! Isso é extraordinário. Mesmo em nossos piores momentos, podemos encontrar alguma alegria neste fato nada pequeno, estamos vivos. Seu coração está bombeando. Quão maravilhoso é isso?

Sim, eu sei. É difícil. Não estou dizendo que fazer isso fará magicamente tudo melhor. Mas sempre é possível ver vida em cada momento, se ousamos olhar.