"Não tem nada além disso"

“A vida é o que acontece enquanto você faz planos.” - Dizem que é do John Lennon. É?

- E aí, pai, como que tá?
- Na luta.

Meu pai sempre estava lutando contra alguma coisa. Sempre. Não estava tudo bem, nem indo, ele estava na luta. Ele não estava planejando, nem lamentando, ele estava vivendo a luta. E, no fim das contas, acho que essa foi mesmo a vida pra ele.

Jessica James é dramaturga, cola na parede cartas de recusa. Cada teatro, escola e universidade que a rejeita vira um quadro.

Um belo dia, encontra Sarah Jones, seu maior ídolo. Jessica admira profundamente Sarah.

“Você é obstinada e impetuosa, não pede passagem. Eu amo como cria seus personagens. Amo como compõe as mulheres. Fico muito agradecida por você estar aqui. Eu te amo.”

A fã reconhece que passou do ponto, pede desculpas e pergunta se pode fazer uma pergunta.

- Quando soube que teria sucesso?

- É uma boa pergunta. Acho que diria que te aviso quando descobrir.

- Como assim descobrir? Você ganhou um Tony! - Poderia ser um Oscar, um Grammy, um Nobel, um Leão, um ouro Olímpico, qualquer prêmio.

- Sim, mas, sabe… Tem isso e ainda pego metrô.

Não é porque ela também é dramaturga. Mas pra qualquer atividade, sempre haverá louça suja, boleto pra pagar, caixa de entrada pra limpar.

E aí Sarah Jones ensina.

- Tem mais a ver com o que o teatro significa pra você.

- Eu amo o teatro. - Confessa Jessica.

- E está fazendo teatro. É isso. Não tem nada além disso.

Não há sucesso, nem amor, que acabe com a rotina, com o trabalho sujo, com a vida trivial e com os pequenos desafios diários.

Cada um escolhe a luta que vai pegar pra si. Teremos vitórias, derrotas, empates, qualquer coisa, mas o lance é a batalha. Ou, num olhar mais pacífico, é o caminhar, o respirar, o dia a dia. Não tem nada além disso.

Pode parecer besta, mas também pode parecer lindo. Reclamamos, nos preparamos, tememos, analisamos, comemoramos e enquanto isso a vida corre. Quando a gente "chega lá", às vezes, se dá conta. É só isso mesmo.

Uma vez li a ideia de que felicidade é transformar o que é cotidiano em especial. Feliz é quem vê beleza no metrô do dia, no momento presente e no que escolheu pra si. Se há amor pela causa, ou pela coisa, já valeu.