Autoconfiança

Um grande amigo dizia que "mais importante do que ser forte é sentir-se forte".

Ter experiência, dinheiro, disciplina, saber fazer contas, atender bem as pessoas, ter destreza num instrumento, dominar uma técnica, ter milhões de seguidores. Nada disso tem valor se não houver autoconfiança.

A sensação de capacidade é mais decisiva na hora do "vamo vê" do que qualquer habilidade, recurso ou talento. Por que quem acredita que pode dá um jeito. Enquanto quem não acredita nem começa.

Autoconfiança é um privilégio. A maioria de nós carrega traumas de pais exigentes, ou ausentes, chefes insatisfeitos, avaliações duras, contextos opressores, perfeccionismo exagerado.

Quando acreditamos que nada é bom o suficiente, não há entrega que chegue. Com a confiança minada, paralisamos e deixamos de fazer o que nos traria mais confiança.

Se tivesse uma escola da autoconfiança, ela seria baseada em autonomia. Eu faria meu caminho de aprendizagem mais ou menos por aqui, sem ordem:

Sentir-se capaz de fazer. 

Sentir-se capaz de aprender.

Sentir-se capaz de descobrir.

Sentir-se capaz de começar.

Sentir-se capaz de criar vínculos.

Sentir-se capaz de se transformar.

Sentir-se capaz de comunicar.

Sentir-se capaz de se expressar.

Sentir-se capaz de experimentar.

Sentir-se capaz de amar e ser amado.