“Eu não sei o que eu quero”

Só hoje ouvi umas três vezes. É comum. É um dos sintomas da infelicidade no trabalho que 80% da população vive.

O impulso inicial, ao não saber o que queremos, é manter o que temos.

Nosso emprego, carreira, cidade, projeto. Aquilo que, imaginamos, nos promete identidade e segurança. Ainda que a gente não se sinta reconhecido, nem seguro.

“Se eu não ficar com o que tenho, vai me sobrar o quê, não é mesmo?”

Você certamente já ouviu os mantras “saia fora da caixa” e da “saia zona de conforto”. Não é sobre isso que quero escrever.

Porque a pessoa lê uns livros, faz um curso diferente, se empolga. Mas a noite de domingo continua sofrida, antevendo a semana de trabalho dolorosa. A semana que ela escolheu, apesar de não ver outra opção.

O que me inquieta é a nossa capacidade de explorar momentaneamente outros mundos, mas ao mesmo tempo nos apegar profundamente ao mundo restrito que vivemos.

A gente até tenta sair. Mas não deixa ir.

Há uma diferença sensível entre sair e deixar ir. Porque muitas vezes a gente até sai, dá uma volta, mas retorna. E não deixa nossas prisões, concepções, apegos e certezas irem.

Um dos modelos mais interessante que tive contato nos últimos anos é a Teoria U de Otto Scharmer.

Essa metodologia para mudanças tem sete estágios: suspender; redirecionar; deixar ir; estar presente; deixar vir; decretar a lei e incorporar.

Não quero pular etapas, mas destaco especialmente quatro momentos: suspender; deixar ir; estar presente e deixar vir. Porque isso é incomum. Tá cheio de gente por aí querendo redirecionar; decretar lei e incorporar.

Se em algum momento você já meditou, deve ter experimentado:

Suspender.

Deixar ir.

Estar presente.

Deixar vir.

As coisas fluem quando a gente sustenta nossas questões e deixa as tensões irem. É no estado de presença - e não de angústia - que os insights e as novas energias vêm.

Se você não sabe o que quer, suspenda.

Deixe o que você já sabe que não quer ir.

Esteja verdadeiramente presente.

E permita que o novo venha.

Quem sabe, vai ser algo que você vai querer.