Divergente e convergente

Consideramos uma pergunta, um desafio, um ponto de partida comum.

- O que vamos comer hoje?

E, com o intuito de responder, resolver ou criar, a gente começa a divergir.

- Que tal pizza?

- Queria sushi...

Se a gente diverge pouco, logo toma uma decisão óbvia. Não criamos. Ficamos nos caminhos já percorridos, nenhuma novidade.

- Marguerita.

Mas se toleramos um pouco mais a divergência, corremos o saboroso risco de fazer diferente.

- Tem delivery de comida mexicana aqui?

Divergir é desconfortável, porque precisamos lidar com o não-saber, escutar outras possibilidades, abrir mão, mudar de ideia, convencer ou entrar num concenso. É tão desconfortável que a gente começa a reclamar do processo de criação e a demora da decisão. Nosso primeiro impulso é tentar convergir logo.

- Chega dessa indecisão. Marguerita e deu.

O ponto em que começamos a reclamar por excesso de possibilidades é também o espaço em que podemos deixar emergir o novo.

- Marguerita de novo?

- O que tem de promoção no ifood?

- O que tem na geladeira pra inventar?

- Vamos sair de casa?

Em algum momento, teremos que fechar as possibilidades, tomar uma decisão e convergir. Mas quanto mais sustentamos o movimento divergente e a emergência do diverso, mais chances temos de convergir em algo realmente novo.

- Vamos perguntar pro vizinho o que podemos fazer juntando os ingredientes que ele tiver e o que temos aqui?

- E se a gente entrar no primeiro restaurante que encontrarmos na rua?

- Já comeu comida tailandesa?

O desafio pra inovar de verdade é encontrar o balanço entre divergir, sustentar a zona de reclamação e convergir.

O modelo divergente-convergente pode ser usado pra decidir o jantar. E também como processo de inovação em empresas. Ou como um jeito de viver com mais flexibilidade uma vida tolerante.

Não é sobre escolher um ou outro modo de pensar, abrindo ou fechando possibilidades, é sobre saber a hora de cada momento. E ser ótimo em todos eles. Sempre podemos ir além, considerar outras vozes e encontrar caminhos ainda não vistos.