O que queremos?

O que a gente quer quando começamos um negócio?

Por que gastamos dias e noites, nos afastamos de pessoas, queimamos pestana, tempo e dinheiro?

Nossos desejos e sonhos são emaranhados. Vários deles podem desaguar num empreendimento, num projeto, numa arte, numa startup.

Nossos desejos são humanos, comuns e, individualmente especiais.

Queremos ser vistos, percebidos, validados, respeitados, admirados.

Ousamos sanar uma dor, dar um jeito num problema que já nos machucou profundamente.

Secretamente, ou não, tentamos mostrar que podemos, que a gente é capaz de exercer poder.

Fazemos para nos manifestarmos, mostrar nossa expressão pro mundo.

Queremos nos conectar a um grupo, uma comunidade, uma família, e por isso trabalhamos duro.

Feio ou bonito, queremos controlar, sentir segurança e ter alguma previsibilidade na vida.

O que a gente quer é conforto, certeza de felicidade, por mais improvável que isso seja.

Seres sociais que somos, secretamente, ou não, desejamos status, reconhecimento e diferenciação.

Entregar ao mundo, o que quer que seja, generosamente, é sobre também deixar nossa marca, nosso legado.

Pode ser que a gente queira tudo isso, ou um pouco de cada, ou nada disso, explicitamente.

Queremos viver bem e trilhar nossa caminhada com autonomia.

Eeste caminho é uma das mais importantes aventuras que a gente pode viver.